Varizes: Mitos, verdades, prevenção e tratamento

Varizes, ou veias varicosas, são veias dilatadas, com de maior volume,que a longo do tempo tornam-se tortuosas e alongadas. Microvarizes são varizes intradérmicas, superficiais e tem uma coloração mais avermelhada ou arroxeada. São mais comuns em mulheres do que em homens, graças aos hormônios femininos – principalmente a progesterona que favorece a dilatação das veias.

Os fatores genéticos e hereditários é que determinam a tendência ao problema. Se a pessoa já nasce com predisposição, o risco de desencadear varizes pode ser maior. Outro fator relevante é o hormonal.

Além dos sinais visíveis das veias tortuosas e alongadas há outros sintomas como: presença de veias azuladas e muito visíveis abaixo da pele, agrupamentos de finos vasos avermelhados, queimação nas pernas e planta dos pés, inchaço, especialmente nos tornozelos ao final do dia, prurido (coceira), cansaço ou sensação de fadiga nas pernas, sensação de peso nas pernas e cãimbras.

O diagnóstico é feito, basicamente, pelo exame físico Ecodoppler venoso (ecografia que avalia o fluxo venoso superficial e profundo) para avaliação de refluxo venoso, e como auxiliar do tratamento cirúrgico.

Quando não tratadas de forma correta as varizes podem progredir e desenvolver severas complicações. As varizes podem evoluir a hemorragia, úlcera e/ou formação de coágulos que levam a Trombose venosa profunda (TVP) e o caso pode ser mais perigoso do que se imagina, não representando normalmente apenas um preocupação estética.

As artérias levam o sangue do coração para as extremidades, e as veias têm a função de levar o sangue de volta ao coração através da contração da panturrilha como bomba muscular. Existem pequenas válvulas no interior das veias que impedem o retorno venoso para as extremidades, se tal situação ocorrer, há refluxo, o que aumenta a quantidade de sangue extravasado nas veias promovendo dilatações nestas gerando varizes.

A carga genética também têm grande influência por ocasionar uma diminuição da resistência das paredes das veias e insuficiência valvular. O caso hormonal é refletido no uso prolongado de anticoncepcionais e outros tratamentos hormonais e durante as gestações, pela maior liberação de hormônios, o que pode ocasionar diminuição do tônus da parede venosa; no final da gestação, a compressão do útero sobre veias do abdômen também pode desencadear varizes. O sedentarismo, obesidade e a permanência na mesma posição durante um longo tempo do dia, idades a partir de 30 anos, tabagismo e exposição a altas temperaturas por um longo período de tempo também favorecem o desenvolvimento de varizes.

Salto-alto não causa varizes, apenas se for utilizado diariamente e por um período demorado, o que pode dificultar o bombeamento do sangue nas pernas, facilitando o surgimento de varizes. Para evitar esta situação é interessante usar o salto-alto raramente e alongar a panturrilha antes e depois de usá-lo.

Uma grande polêmica sobre o assunto é se o treinamento resistido(musculação) causa ou prejudica o quadro de varizes, entretanto, é apenas um mito, os exercícios ,o contrário, têm um efeito benéfico e ajudam a prevenir seu surgimento, pela estimulação da circulação sanguínea evitando assim o aparecimento de veia doentes,além disso, conforme abordado no mês anterior a musculação promoverá um fortalecimento da panturrilha o que favorecerá a circulação evitando as varizes, todavia, há de se ter a precaução de elevar um excesso de peso sobre as pernas. Obviamente que se o caso for mais grave deve-se consultar um médico para maiores explicações e avaliação se pode ou não executar determinados tipos de exercícios.

O tratamento das varizes consiste no uso de meias elásticas, que aliviam as dores, ou na utilização de injeções de medicamentos que melhoram o fluxo venoso (escleroterapia); ou pela utilização de um método invasivo e cada vez menos agressivo que é a cirurgia. Este último método, sem dúvida, é sempre o tratamento ideal para se evitar as complicações próprias da evolução da doença, tais como, edema (inchaço), dermatites, pigmentações e endurecimento da pele, úlceras varicosas e tromboflebites (inflamação da parede da veia com formação de coágulo).

Prevenção: exercícios físicos, alimentação saudável (evitando o sobrepeso e por consequência diminuindo as chances da ocorrência das varizes), hidratação constante e movimentos periódicos das pernas, com pequenas caminhadas ou “subida e descida” em degrau, evitando sempre a permanência na mesma posição por um longo período.

Dúvidas e/ou sugestões?Mande um email para: ufrj@raquelreispersonal.com


 

Todos os direitos reservados.

" Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta vitória que vence o mundo: a nossa fé." ( 1Jo 5:4)

  Site Map